América Latina deverá ter testes reais de 5G ainda em 2018

A LTE passou a ser a tecnologia celular sem fio predominante no mundo a partir do quarto trimestre de 2017, com mais de 35% de participação do mercado, oferecendo acesso sem fio 4G a serviços e aplicativos a uma grande parcela de população mundial, ,revela estudo feito pela Ovum, a pedido da 5G Americas.

O relatório mostra que a LTE registrou sua maior participação de mercado, 74%, na América do Norte, à frente de qualquer outra região; em comparação, a tecnologia conta com 56% do mercado na Oceania e Leste e Sudeste Asiático e 44% na Europa Ocidental. A LTE cresceu muito na região da América Latina e do Caribe, contabilizando 29% do mercado no final de 2017.

“A LTE é o carro chefe do setor de mobilidade sem fio, mantendo seu crescimento não somente em termos do número de conexões globais e as 500 redes comerciais já em operação, mas também por sua evolução desde as primeiras redes lançadas em 2009 até as atuais redes operando com a tecnologia LTE-Advanced Pro, que servirá como base para a 5G nos próximos anos”, disse Chris Pearson, Presidente da 5G Americas. “A LTE deve manter essa trajetória de crescimento até 2022, quando o número de conexões 5G deve começar a crescer mais”.

Hoje, a LTE está presente em 585 redes no mundo inteiro, das quais 233 operam com a tecnologia LTE-Advanced (TeleGeography-GlobalComms Database). O sucesso global da LTE criou uma plataforma para a cobertura, roaming e as bilhões de conexões LTE no mundo. Na América Latina e Caribe, o número de conexões de banda larga móvel manteve uma trajetória de crescimento rápido na América Latina, impulsionada pela demanda por conexões mais rápidas nesta região.

Como resultado, a região terminou o ano de 2017 com 18 redes LTE Avançado (LTE-A) e a implementação da primeira rede LTE-A Pro está prevista para o início de 2018. Os governos também estão tentando acelerar a adoção de serviços de banda larga móvel através da alocação de mais espectro licenciado. Em 2018, todos os países da América Latina, com a exceção de Cuba, devem ter pelo menos uma rede LTE-A.

“A 5G Americas está prevendo vários testes com a tecnologia 5G na América Latina em 2018”, salienta o Diretor da 5G Americas para a América Latina e o Caribe, José Otero. No final de 2017, a participação de mercado da LTE aumentou de 17% para 29% na comparação anual, e deve ser a tecnologia mais prevalente da América Latina até o final de 2019. A LTE registrou 2,8 bilhões de conexões globais no final de 2017, e está prevista a ultrapassar o marco de 3 bilhões em meados de 2018, chegando a 4 bilhões em 2019 e mais de 5 bilhões em 2021.